11/07/2020

Notícia/Colunista

Por Juarez Alvarenga: Os telefonemas de domingo à noite

Foto: Juarez Alvarenga

O ser humano mostra sua vulnerabilidade perante a realidade quando a maioria dos brasileiros, no domingo à noite, telefona para seus parentes. Isto é um gesto humano de solidariedade como também uma carência afetiva e a necessidade de encontrar um aliado para o enfrentamento da concretude na segunda-feira.

No mundo atual, encontrar as pessoas desarmadas é como encontrar uma mulher bonita de camisola. Todos estão atirando com motivo ou sem motivo.

Para enfrentar a arena da segunda-feira, só armando até os dentes.

Nós humanos somos permanentes guerreiros, com ou sem resultados. É natural que todo mundo lute, como também deveria ser natural que todos tenham resultados, mas isto é para poucos. Por isto é necessário saber jogar nossas pretensões no calor do fogo e transformar os sonhos em labaredas gigantescas capazes de iluminar nossas estradas de realizações.   

A cumplicidade dentro da realidade é necessário e o despojamento integral.

A RACIONALIDADE HUMANA É NOMADE; À NOITE, ELA ADORMECE, E DE DIA ACORDA COM VALENTIA E FAMINTA.

Somos nós, seres humanos, caçadores e presa. Aventuramos-nos nas matas virgens e perigosas deste grande e variadas floresta humana. Somos também presas; como diz o poeta que “nós humanos só somos raptados pelo afeto”.

O desprendimento humano retratado pelos telefonemas de domingo à noite nos joga preparado para a entrada do sol na segunda.

Aprendi a guerrear mudando constantemente. Aumentar a velocidade e potencialidade das armas de acordo com a resistência dos adversários. E uma bala suave é o que mais acontece nas conversas dos parentes e amigos nas conversas noturnas de domingo à noite. Como, por exemplo, duas amigas, conversando e uma no ápice da crise matrimonial diz ser insuportável a manutenção do relacionamento dentro do cotidiano. Outra conversas bem provável é a crise no emprego. Hoje em dia sabemos que atmosfera no ambiente de trabalho está um verdadeiro manicômio. O problema não é o trabalho, mas a difícil arte do relacionamento.

O que vemos no mundo contemporâneo, com os telefonemas de domingo à noite, é um ser humano medroso, carente e inseguro. E estes três requisitos juntos podem desencadear uma crise existencial sem precedente.

Faça como eu, que, despojados para a vida e para segunda-feira mudo constantemente de estratégias. Passeio no fim de semana como também na segunda como turistas sem a permanência definitiva e nenhum deles. Obedeço às conveniências que a vida nos solicita.

Pensei até telefonar domingo à noite para o para um grande empresário de âmbito nacional e tenho certeza que desarmaria totalmente, pois apesar de extremamente vencedor conserva áurea de ser humano penetrável.

Hoje estou no time do grande empresário, porém se a segunda-feira já foi cruel na atualidade é minha praia. Pois aprendi a nadar observando o procedimento do valente trabalhador vencedor, que, logicamente, se for perguntado porque sua praia é na segunda, ele responderá com consistência é que na segunda à realidade dá sobressaltos, e a maioria dos brasileiros, em vez de projetar sobre ela, é inteiramente sufocada, ficando permanentemente imobilizados. E tem mais: é na segunda em que as coisas reais desprendem dos sonhos e acontecem.

autor

JUAREZ ALVARENGA

ADVOGADO E ESCRITOR

R: ANTONIO  B.  FIGUEIREDO, 29

COQUEIRAL     MG

CEP: 37235 000

FONE: 35 991769329

E MAIL: juarezalvarengacru@gmail.com

Veja também