30/03/2020

Notícia/Campo Belo

Dentistas que descumprirem a nova resolução poderão ter suas carteiras suspensas

Foto: Ilustrativa

O Conselho Regional de Odontologia (CRO-MG) publica, na próxima segunda-feira (23), uma resolução que determina a suspensão dos atendimentos odontológicos no Estado de Minas Gerais pelo período de 15 dias. A medida foi adotada para conter a disseminação do novo coronavírus. As clínicas devem ficar fechadas. Apenas casos de urgência e emergência poderão ser atendidos.

Continua após a publicidade

"Vamos editar uma norma mais forte na segunda-feira, pela manhã, suspendendo o atendimento em todo o Estado, sendo mantido apenas os atendimentos de urgência e emergência, quando convocados pelos pacientes. Vamos recomendar não abrir o estabelecimento. Se o paciente o procurar, você analisa o caso e vai atendê-lo em caráter emergencial ou de urgência", explicou o presidente do CRO-MG, Raphael Mota.

O conselho tinha emitido duas resoluções nos últimos dias, uma para o setor público e outro para o setor privado, com recomendações para o atendimento de pacientes, mas muitos profissionais estavam descumprindo as orientações. Diante das denúncias, o CRO autuou clínicas na última sexta-feira (20), na capital.

Continua após a publicidade

O dentista que descumprir a nova resolução poderá ter a carteira suspensa. "Caso a clínica permaneça em resistência, vamos voltar ao local junto com a Vigilância Sanitária para a interdição. Quem não seguir a determinação do conselho pode ser penalizado eticamente e perder a carteira profissional. O código também presa que nós não podemos, de maneira nenhuma, deixar de prestar socorro, por isso, fica a ressalva dos atendimento de urgência e emergência", ponderou Mota.

Os dentistas estão no topa da lista de profissões mais suscetíveis ao contágio por vírus. Aliado a isso, o CRO-MG recebeu informações que a máscara própria para o atendimento está em falta no mercado, o que deixa o profissional ainda mais exposto.

Continua após a publicidade

" A única máscara que o protege de aerossóis e perdigotos (gotículas contaminadas de saliva), um jatinho de água que o dentista joga na boca e retorna para o ar, é a da classificação N95, ou a PFF2, no Brasil. Essa máscara está dificílima de se conseguir no mercado. A maioria dos profissionais, especialmente nos postos de saúde, não tem essa máscara. A máscara cirúrgica, que se usa no dia a dia, não protege contra o vírus. De 70% a 80% dos dentistas do Estado estão desprotegidos", afirma o presidente do CRO-MG.

Segundo o conselho regional, existem relatos de casos suspeitos de dentistas mineiros contaminados pelo Covid-19, nenhum confirmado. Entre eles está o de um dentista de Belo Horizonte que teria, supostamente, pegado coronavírus em um casamento. O profissional comunicou todos os pacientes dos quais teve contato que estava com suspeita de contágio e os orientou a realizar testes.

Veja também