18/08/2019

Notícia/Colunista

Dr. Tássio Alvarenga Lopes: Conazepam (Rivotril) pode causar Demência e Alzheimer?

Foto: Dr. Tassio Alvarenga Lopes

Primeiramente gostaria de expor que as informações relatadas neste dizem respeito ao sal terapêutico Clonazepam, genérico do fármaco principal e de mais fama chamado Rivotril (marca registrada do laboratório Roche), o qual não fez diretamente parte do estudo a ser citado neste texto.

Com muita frequência pacientes tem me inquirido no consultório se Clonazepam (Rivotril) causa demência de Alzheimer. Pergunta de resposta fácil, mas ao mesmo tempo complexa. Esta celeuma se criou após um estudo de caso controle publicado em 2014 pelo The BMJ (British Medical Journal), no qual se podia ler que o uso por mais de 3 meses de benzodiazepínicos estava associado a um risco de 51% de desenvolver a doença de Alzheimer. Os benzodiazepínicos são drogas muito comuns no uso diário das pessoas, podendo se citar o Valium (Diazepam), o Rivotril (Clonazepam), o frontal (Alprazolam ), o Lexotan (Bromazepam), entre outros.  Vale ressaltar que o estudo só foi capaz de encontrar uma associação entre o uso de fármaco "tarja preta" e o risco de Alzheimer e não provou uma relação de causa efeito direta.

A doença de Alzheimer é uma doença Neurodegenerativa marcada por importante atrofia dos lobos fronto-temporais (região responsável pela memória) e por deposição amiloide nos neurônios cerebrais levando a sua disfunção. Caracterizada ainda por obstrução de pequenos vasos cerebrais o que diminui consideravelmente o metabolismo das áreas afetadas. É bem sabido que é um doença geneticamente determinada e relacionada, principalmente, a quatro genes, a saber o App, Apoe, Psen 1 e Psen 2. Antes de iniciar os sintomas de esquecimento, boa parte dos pacientes com Alzheimer, podem evoluir com sintomas depressivos e ansiosos. Muitos pacientes, portanto, que irão iniciar o Alzheimer, anos antes, procuram médicos clínicos e psiquiatras com queixas apenas de humor. aí mora o problema, podem ser prescritos com benzodiazepínicos, o que agravará e antecipará os sintomas demenciais.

Uma coisa é fato - remédios benzodiazepínicos (tarjas pretas) são fármacos que podem aumentar o risco de causar esquecimentos, quedas e confusão mental, independentemente, se o paciente seja portador ou não de Alzheimer. Agora se a pessoa já tem genes para desenvolver a doença de Alzheimer, tem histórico familiar e começa a usar estes tipos de remédios, os sintomas demenciais podem ser mais exuberantes. Sem mais delongas, não se pode dizer que Rivotril e outros benzodiazepínicos causem Alzheimer, mas que podem precipitar ou agravar sintomas demenciais, isto sim é plausível. De uma foram geral, a orientação é que evitemos, sempre que possível, em pessoas com mais de 60-65 anos, o uso tais remédios, pois já existem no mercado opções farmacológicas menos deletérias. 

autor

DR. TASSIO ALVARENGA LOPES

CRMMG 47.499 RQE 34.293

PSIQUIATRA COM FORMAÇÃO EM MEDICINA PELA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA E RESIDENCIA MEDICA EM PSIQUIATRIA PELO CENTRO HOSPITALAR PSIQUIÁTRICO DE BARBACENA DA FUNDAÇÃO HOSPITALAR DE MINAS GERAIS.

 

RUA SANTOS DUMONT, 271 CENTRO CAMPO BELO MG

3831-1224 

99906-1224

Veja também