19/10/2018

Notícia/Campo Belo

Mulheres com prótese de silicone podem amamentar?

Normalmente, mulheres com prótese de silicone podem amamentar. O implante, em si, não impede a amamentação. O problema pode ocorrer no tipo de cirurgia escolhida, que envolve o local do corte e a região onde o implante é colocado. Dependendo do procedimento, é possível ocorrer algum efeito sobre a produção ou escoamento do leite.



Mulheres com prótese de silicone podem amamentar seguindo alguns cuidados



A prótese de silicone não altera a glândula responsável pela produção do leite materno. Contudo, algumas técnicas cirúrgicas são mais invasivas que outras e, embora não alterem a produção do líquido, podem lesionar alguns ductos. Qualquer cirurgia que envolva alterações no entorno da aréola acaba cortando a glândula mamária no meio, mas, ainda assim, grande parte dela fica sem ser manipulada.



É por este motivo que se recomenda que as mulheres que desejam colocar implantes de silicone e, ao mesmo tempo, pretendem ter filhos, conversem com o seu cirurgião plástico para ter plena certeza de que a técnica usada seja compatível com o aleitamento materno.



Existem outras cirurgias que dificultam de forma direta e bem mais recorrente a amamentação. Como exemplo, temos a mamoplastia redutora, que se caracteriza pela redução e levantamento da mama, e que pode alterar a produção de leite devido ao seu alto grau invasivo.



Já a prótese de silicone aumenta o tamanho e o formato dos seios, mas não necessariamente o sistema responsável pela produção e entrega do leite. É relevante destacar que, ao se colocar próteses de silicone, é possível que os mamilos percam ou até ganhem mais sensibilidade após o procedimento cirúrgico.



Tipos de técnicas que não influenciam na amamentação



Incisão inframamária



A incisão inframamária é um corte realizado abaixo da mama, na prega inframamária. É a mais realizada e proporciona o máximo de acesso para a dissecção precisa e colocação de um implante mamário. Muitas vezes, é a técnica preferida para introdução de implantes de silicone em gel.



As vantagens deste tipo de cirurgia envolvem a proximidade da região onde será colocado o implante, não havendo necessidade da criação de túneis de acesso. Outro benefício é o de que, nesta técnica, descola-se exatamente o espaço necessário para a colocação dos implantes mamários, não havendo o risco de as próteses poderem deslocar-se com a cicatrização ou com o tempo.



Outro ponto positivo é que a técnica agride muito pouco o tecido mamário, ou a arquitetura mamária, porque a mama é simplesmente levantada para o implante poder ser colocado por debaixo dela. Desta maneira, não altera a arquitetura funcional das mamas, não interferindo em uma futura amamentação.



Incisão axilar



A incisão axilar é uma técnica que coloca o implante de silicone através da região das axilas, abrindo-se um túnel de dissecção até a região das mamas, preparando espaço o suficiente para a colocação dos silicones. A vantagem da técnica é que ela permite a colocação de implantes sem cicatrizes visíveis nos seios.



Incisão umbilical



Esta técnica é a menos comum, onde uma incisão e a colocação do implante é feita através do umbigo, criando-se túneis de dissecção para atingir a região mamária, que é descolada para introdução dos silicones. A grande vantagem dessa abordagem é que ela permite a colocação de implantes sem cicatrizes visíveis nas mamas.



Transabdominoplastia



Este procedimento é semelhante à incisão umbilical, onde os implantes são colocados por um túnel a partir do abdômen. Nela, aproveita-se a cirurgia de abdominoplastia (plástica abdominal) para, simultaneamente, colocar os implantes mamários.



Uma das vantagens da técnica é que se introduz os implantes de silicone sem haver a necessidade de criar uma outra cicatriz, utilizando o acesso da abdominoplastia.



Após a amamentação, o silicone pode “cair”?



É bastante normal que a pele fique flácida após a amamentação. As glândulas que produzem leite armazenam uma relativa quantidade do líquido na mama, fazendo com que a pele estique. Ao final do processo, todo o líquido seca e os seios tendem a ficar menos firme.



Com o silicone não é diferente. Algumas técnicas de colocação, no entanto, podem amenizar esse efeito. As próteses colocadas atrás dos músculos sedem menos do que as colocadas embaixo da glândula, pois são mais sustentadas pelo corpo.



Embora não seja uma obrigatoriedade, após o período de lactação da mulher, é possível trocar a prótese ou retirar parte da pele flácida. Em alguns casos, colocar um implante maior já é suficiente. Já em outras situações, é necessário retirar parte da pele. O ideal é sempre conversar de forma franca com o cirurgião plástica e indicar todas as necessidades e desejos em torno de uma nova cirurgia.



 



A clínica está localizada na Rua Djalma Cardoso, 75, no Centro de Campo Belo/ MG.



Para maiores informações ligue: (35) 3831-6201.



 



Dr. João Carlos Cisneiros - CRMMG 35097



Médico formado pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) com residência médica em Cirurgia Plástica pelo Hospital das Clínicas da UFMG. Membro Associado da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.



Dr. Igor Ferreira Garcia - CRMMG 52229



Médico formado pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) com residência médica em Cirurgia Geral pelo Hospital de Servidores do Estado de Minas Gerais - IPSEMG. Residência Médica em Cirurgia Plástica pela Unicamp - Universidade Estadual de Campinas. Cirurgião Plástico visitante no Martin Luther Krankenhaus – Berlim/ Alemanha. Membro Associado da SBCP - Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.



Dr. Roger Vieira - CRMMG 42330



Formado em medicina pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Residência médica em Cirurgia Geral pelo Hospital da Baleia. Residência de Cirurgia Plástica no Hospital Governador Israel Pinheiro (IPSEMG). Pós-graduado em Perícia Médica, pela Universidade Gama Filho e Fundação Unimed.



Dra. Raphaella Cambraia Furtado Campos – CRMMG 60092



Médica Dermatologista. Graduada em medicina  pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Residência em dermatologia pelo HPMMG- Hospital da Polícia Militar de Minas Gerais.



Dra Tatiana Ferreira Bastos - CRM 59970



Médica formada pela Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora . Residência médica em Cirurgia Geral no Hospital Geral de Nova Iguaçu ( RJ) . Residência médica em Cirugia Vascular no Hospital Federal de Bonsucesso (RJ)




Veja também